Pernambuco terá megacomplexo de usinas solares de R$ 3,5 bilhões

Pernambuco terá megacomplexo de usinas solares de R$ 3,5 bilhões
A atração do megaempreendimento foi selada pelo governador Paulo Câmara e o presidente da Solatio, Pedro Vaquer Brunet. Projeto irá gerar mil empregos no Sertão


Foto divulgação

 A implementação de políticas públicas voltadas a garantir a segurança energética em Pernambuco continua a fomentar negócios e gerar novos empregos no Sertão. O Governo do Estado, que inova desde o lançamento do primeiro Atlas Eólico e Solar do Brasil e foi pioneiro na realização de um leilão de energia solar, anunciou nesta quarta-feira (24) a atração de R$ 3,5 bilhões para a construção, na região, do maior complexo solar fotovoltaico do País. O aporte bilionário será da espanhola Solatio Energia e deve gerar, somente durante as obras, cerca de mil postos de trabalho diretos.

A atração do megaempreendimento foi selada pelo governador Paulo Câmara e pelo secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Bruno Schwambach, em reunião realizada na manhã de hoje com o presidente da Solatio, Pedro Vaquer Brunet, e sua sócia, Elvira Damau. Representantes do mercado, como Walfrido Ávila, presidente da Tradener – primeira empresa a negociar energia no mercado livre no Brasil -, e Walter Fróes, da CMU Comercializadora, estiveram presentes. O encontro, que também contou com a presença da AD Diper e a CPRH, ocorreu no Palácio do Campo das Princesas.

“É um investimento que dialoga com o que a gente quer, que é a energia limpa. Um investimento importante em um momento difícil, quando ninguém está investindo, e a Solatio está vindo a Pernambuco, gerando emprego e renda. Nós estamos sempre dialogando com empresas e investidores, que têm a certeza de que o nosso Estado os ajudará a avançar em seus projetos”, reforçou o governador.

Localizado em São José do Belmonte (distante 474 km do Recife), o complexo fotovoltaico será dotado de sete usinas, com capacidade instalada para gerar 1.100 Megawatts (MW) e perspectiva de entrar em operação comercial no início de 2021, com plena operação no ano seguinte, 2022. O parque da Solatio foi projetado para ser o maior em território nacional e uma das principais referências no mundo. As obras serão iniciadas no primeiro bimestre de 2021 e a expectativa da empresa é contratar 400 trabalhadores apenas nos arredores do empreendimento.

“O Estado está preparado, realizando investimentos em infraestrutura. Temos buscado ativamente os empreendedores, seja para participar dos leilões ou implantar projetos mirando o mercado livre. Dentro do nosso programa de energia, é preciso destacar o Atlas Eólico e Solar, um mapeamento feito especificamente ao investidor, que mostra o potencial de Pernambuco para geração de energia através de fontes renováveis. Fora isso, o governo estadual tem incentivado a geração distribuída com o PE Solar”, destaca o secretário Bruno Schwambach.

O conjunto de investimentos previstos, a ser distribuído numa área de 2.270 hectares, está em sintonia com o plano de longo prazo lançado pelo Estado, ainda em 2013, quando promoveu o primeiro leilão de energia solar do País, precedendo, inclusive, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). O ato foi considerado um marco histórico pelo setor, abrindo as portas para o mercado produzir este tipo de energia em grande escala no Brasil.
Vale destacar que, um ano antes, foi criada a “Lei PE Sustentável” (nº 14.666, de maio de 2012), que estrutura a geração de energias sustentáveis no Estado.

Atlas Eólico e Solar: um guia técnico para o investidor

Além do pioneirismo na realização do primeiro leilão do país, que possibilitou a implantação de duas usinas com capacidade instalada de 10 MW da italiana Enel Greenpower, em Tacaratu (distante 453 km do Recife), Pernambuco foi o primeiro estado a produzir um Atlas Eólico e Solar no Brasil. A publicação está disponível no site www.atlaseolicosolar.pe.gov.br e apresenta uma visão geral e técnica do potencial de produção destas fontes de energia renovável em todo o Estado.

Para se ter uma ideia, a elevada insolação da região se traduz num potencial de 1.200 Gigawatts de energia solar, além dos ventos constantes, unidirecionais e sem rajadas, o que dá a Pernambuco um potencial de 100 GW para produção de energia eólica. O Estado também apresenta áreas com grande aptidão para o modelo híbrido (270 GW). Estas e outras informações, que podem ser acessadas pelo público, são cruzadas com uma série de mapas digitais em alta resolução, que ressaltam aspectos da geografia, economia e infraestrutura pernambucanas.


O Atlas nasceu com o objetivo de subsidiar possíveis investidores deste segmento, dando suporte à Academia e ao Poder Público no intuito de apontar as áreas mais promissoras para a geração de energias limpas e renováveis. Trabalho este alinhado à tendência mundial de priorizar a geração de energia limpa, reforçando as vantagens competitivas de Pernambuco para essa nova fronteira econômica.

Postar um comentário

0 Comentários