Greve no Piauí? Caminhoneiro diz que 2019 está pior que 2018 e setor sofre colapso

Greve no Piauí? Caminhoneiro diz que 2019 está pior que 2018 e setor sofre colapso
Quase um ano depois da greve no setor do transporte de carga que deixou o país parado, a situação dos caminhoneiros no Piauí e em outras regiões do Brasil é desanimadora, afirma Edvan Ferreira, apontado como líder do movimento grevista piauiense no ano passado. Rumores de paralisação em 2019 existem, sobretudo por conta da alta do diesel e que se relaciona com a política internacional de preços adotada pela Petrobras, retirando das mãos do Governo Federal o poder de regular os valores do combustível nas bombas.

Edvan conversou com o OitoMeia e afirmou não ter conhecimento da possibilidade de greve no Piauí, mas disse que ouve rumores para outras regiões. No entanto, foi revelado que a situação dos caminhoneiros neste ano está bem mais complicada do que ano passado, de maneira que o transporte rodoviário de cargas está perto de sofrer um colapso. A imprensa nacional já aponta uma paralisação para o dia 29 de abril.

“O Governo Federal até tem se empenhado em ajudar, mas as medidas que tem tomado andam longe de resolver a complexidade do problema que agrava o setor. Primeiro é a questão do combustível, que não para de aumentar. Só este ano, neste Governo, se eu não me engano, foram cinco aumentos e, neste último, o presidente teve até que intervir. Certamente, na próxima semana, o aumento virá porque o Governo adota uma política liberal e não convém intervencionismo na estatal”, explicou Edvan.


O caminhoneiro ainda informa outros custos no setor, como a manutenção dos veículos, desvalorização do preço do frete, especificando o setor de grãos. Um acordo entre o governo Temer e a categoria firmou uma tabela de fretes da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), o que, na prática, manteria um preço “justo” para os profissionais, impedindo que os patrões pagassem um valor abaixo do ideal. Segundo Edvan, essa medida ainda não foi posta em prática.
Greve no Piauí? Caminhoneiro diz que 2019 está pior que 2018 e setor sofre colapso
Segundo Edvan Ferreira, mais políticas públicas devem ser implementadas para melhorar a situação de trabalho (Foto: Édrian Santos/OitoMeia)

“A categoria entende que tem algo que está segurando a ANTT de fiscalizar. A gente está esperando por um documento eletrônico que vai coibir que as transportadoras emitam a documentação abaixo do valor dessa tabela de preço mínimo. E ainda tem o parecer final do STF sobre a constitucionalidade da tabela. A PGR [Procuradoria Geral da República] deu um parecer favorável”, continuou o caminhoneiro.

Mas, segundo Edvan, mais políticas públicas devem ser implementadas para melhorar a situação de trabalho dos caminhoneiros, como a lei do horário de descanso, fiscalização para diminuir a excessiva jornada de trabalho e a criação de um plano de renovação de frota. A greve do ano passado não tinha ligação com associações e/ou sindicatos. Segundo os grevistas, a iniciativa foi independente e partiu de grupos de WhatsApp.


Meio Norte

Postar um comentário

0 Comentários