São Raimundo Nonato-Dentista do Piauí denunciada por racismo é presa pela segunda vez após ameaças

São Raimundo Nonato-Dentista do Piauí denunciada por racismo é presa pela segunda vez após ameaças
A Polícia Civil prendeu na manhã desta quinta-feira (7) a dentista Delzuíte Ribeiro de Macedo, denunciada por racismo. Contra ela foi cumprido mandado de prisão preventiva expedido pelo Juiz da comarca de São Raimundo Nonato, Carlos Alberto Bezerra Chagas.
Na decisão, o magistrado manda que Delzuíte seja presa, porque “realizou ameaças contra a vítima e seus familiares quando já tinha conhecimento da decisão judicial que aplicou as referidas medidas”. Na mesma decisão, foi determinado que a ré seja imediatamente transferida para a Penitenciária Feminina de Teresina.
“Ela foi presa hoje novamente. Ela tinha obtido a liberdade com algumas restrições, mas ela descumpriu isso e estava inclusive mantendo contato com as vítimas, mandando mensagens de cunho ameaçador. Ela dizia que se as vítimas permanecem, insistissem com o processo, poderia ocorrer alguma coisa de ruim com elas. Assim, o poder judiciário decretou novamente a prisão dela”, disse o delegado geral da Polícia Civil do Piauí, Lucy Keiko.
São Raimundo Nonato-Dentista do Piauí denunciada por racismo é presa pela segunda vez após ameaças
Dentista foi presa em abril de 2018. — Foto: Divulgação/ Polícia Civil
A dentista foi presa em São Raimundo Nonato, numa operação desenvolvida pela Delegacia Regional de São Raimundo Nonato, Delegacia de Canto do Buriti, Núcleo de Inteligência da SSP e Gerência de Polícia Especializada.
Segundo o delegado de polícia civil Matheus Zanatta, a dentista será conduzida de São Raimundo Nonato ainda nesta quinta-feira para Teresina.
Denúncia por racismo
A dentista foi denunciada no início do mês de abril de 2018 quando publicou em sua página no Facebook um texto onde direcionava ofensas racistas a um bebê e sua mãe que moram em São Raimundo Nonato.
Após o fato, a dentista foi presa em 17 de abril e solta cinco dias depois, com autorização da justiça. A mulher responde a suspeita do crime de racismo que trata de condutas discriminatórias e de ódio.
Fonte: G1